Loading...

Total de visualizações de página

Postagens populares

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Estamos de volta, mais uma vez

Depois de uma longa ausência, estamos de volta com o blog. Espero que possa mantê-lo atualizado diariamente. Coisa que não consegui fazer nos últimos (quase) dois anos.
Mas vamos agora tentar manter uma regularidade, especialmente para atender aos leitores e amigos, que nos acompanham nas colunas e matérias enviadas a vários jornais e sitios espalhados por esse Tocantins e algumas partes do Brasil. Não é fácil, ainda mais quando temos que manter as obrigações acadêmicas em dia. Mas, na medida do possível, iremos atualizar as informações, bem como inserir vários artigos que fizemos durante os ultimos 24 meses, desde fevereiro de 2009, nas colunas semanais escritas para o Jornal O Girassol, de Palmas, e ao Jornal A Notícia, de Gurupi.
Falar de esporte e notadamente de futebol no Tocantins ainda é sacrificante. Primeiro porque os dirigentes esportivos, em sua quase totalidade, são amadores. Os que tentam, acabam sendo engolidos pelo sistema dos amadores que dirigem a maioria das entidades ligadas ao esporte. Quando digo amadores, não porque nao sabem nada ou não conhecem, mas porque ainda agem com o coração e a emoção, quando não com truculência a qualquer crítica construtiva ou que seja ao menos discordante da visão amadora que alguns têm na condução do processo de evolução esportiva no Tocantins.
Os clubes de hoje estão praticamente na mesma condição em que se encontravam há 20 anos, quando começou a engatinhar o futebol profissional (sic) no Tocantins. Se não houve evolução, alguma coisa está errada, na estrutura e na conjuntura. Na cultura de lidar e trabalhar com o esporte, entre outras conclusões óbvias, que qualquer rodinha de boteco decifra rapidinho.
Mas ainda assim, acreditamos. Que ainda teremos um esporte (futebol) sério em nosso Estado. Quando os próprios dirigentes de clubes começarem a olhar para a base, investir, acreditar nos garotos e não jogar dinheiro fora com ex-jogadores ou em fim de carreira, entre tantos que perambulam de cidade em cidade, de estado em estado, garimpando alguns trocados para se manterem na profissão. Inglória para muitos. Salvação para poucos. Nem será preciso citar nomes de ex-jogadores, famosos em outros estados, que aqui se encostaram para tentar sobreviver do futebol, de uma forma ou de outra. Sem contar a famigerada política que sempre se transforma em um câncer para qualquer pretensão de trabalho sério, profissional, a médio e longo prazo na estruturação do esporte. Aliás, de quase todos os esportes disputados no Tocantins. O futebol e o esporte de modo geral, precisa ser pensado a longo prazo, com cinco, 10 ou até mais anos de preparação, bem diferente de política (partidária) que acontece a cada dois anos, proporcionando aos interesseiros e alguns paraquedistas de plantão, usarem e abusarem do esporte para alçarem outros voos. Pior. Quando e quase sempre conseguem voar, deixam dívidas e um rastro de desconfiança, que sempre empobrece materialmente o esporte e espiritualmente os que desejam e se empenham voluntariamente pela causa esportiva.
Mas na condição de brasileiro, que não desiste nunca, temos a obrigação de persistir, de mostrar, denunciar, gritar a todo canto, para que, tenhamos uma luz no final do túnel para aglutinarmos forças em prol do crescimento do esporte e do futebol tocantinense.
A conquista do Araguaína em 2010 acendeu a luz da esperança e de que com um trabalho sério, austero, programado, o time consiga permanecer na Série C em 2011, depois de tantos problemas dentro e fora de campo para conseguir o acesso, tendo ficado entre os quatro finalistas da Série D, divisão que neste ano será disputada pelo Gurupi.
Mas esses comentários são para outra hora. Agora é só para dizer que estamos de volta, com mais experiência e com mais vontade ainda de trabalhar pelo engrandecimento, fortalecimento e difusão do futebol tocantinense. Que Deus nos ajude nesta empreitada e que os homens que comandam tenham a humildade suficiente de pedir ajuda profissional. Não apenas dinheiro aos cofres públicos. Mas ideias, projetos, planejamentos, debates, discussões, propostas, para alavancarmos a partir deste ano, para um renovo completo, literalmente, em todos os campos do nosso Estado. Amém!!!